Pular para o conteúdo principal

Curso Prático e Rápido de Correspondência Comercial

1 - Correspondência Comercial
1.1 - Conceito de correspondência

Correspondência é um meio de comunicação escrita entre pessoas.
É o ato ou estado de corresponder, adaptar, relatar ou mesmo o acordo de uma pessoa com outra. É uma comunicação que se efetiva por meio de papéis, cartas e documentos.
Por ampliação de sentido, passou a designar todo o conjunto de instrumentos de comunicação escrita, tais como bilhetes, cartas, circulares, memorandos, ofícios, requerimentos, telegramas.



1.2 - Espécies de Correspondência

Quanto à espécie de correspondência, podem-se destacar:
1) Particular, familiar ou social: trocada entre particulares. Os assuntos são particulares, íntimos, pessoais.
2) Bancária: trata de assuntos relacionados a vida bancária.
3) Comercial: ocupa-se de transação comercial ou industrial.
4) Oficial: tem origem no serviço público, civil ou militar.

1.3 - Carta comercial

A carta comercial é um meio de comunicação muito utilizado na indústria e no comércio, e tem por o objetivo iniciar, manter e encerrar transações. É a comunicação escrita, acondicionada em envelope (ou semelhante) e endereçada a uma ou várias pessoas, enviada pelo correio. Ultimamente, cartas comerciais também são enviadas por fax ou e-mail.

1.3 - Carta comercial

A carta comercial corre dois riscos:
1. como todo texto escrito, ela é irrecorrível, ou seja, não dá para harmonizar ou explicar como na comunicação oral pelo telefone, por exemplo;
2. o volume de correspondência recebida nas empresas é grande, assim, a carta pode ser mal lida, mal interpretada e motivar nova carta como resposta, ampliando a burocracia empresarial. Por isso, para os grandes negócios e clientes especiais, prefere-se a conversa por telefone.
Diante desses riscos, as cartas comerciais exigem uma boa apresentação (ordem, organização e limpeza) e, acima de tudo, clareza, pois a obscuridade do texto impede a comunicação imediata e dá margem a interpretações que podem levar a desentendimentos e, mesmo, a prejuízos financeiros.

Em uma boa carta comercial, a linguagem há de ser:
- simples, evitando-se preocupação com enfeites literários;
- atual, isto é, inteligível à época presente;
- precisa, a saber, própria, específica, objetiva;
- correta, com exata observância das normas gramaticais;
- concisa, informando com economia de palavras;
- impessoal, com o máximo de objetividade, pois a carta comercial não é lugar adequado para manifestações subjetivas e sentimentais
.

Hoje em dia, cada vez mais é exigida a objetividade e a rapidez nas informações.
Por este motivo, é preciso buscar a clareza de pensamento, o entrosamento das idéias e um vocabulário exato.

Antes de iniciar a redação de uma carta comercial, reflita sobre as seguintes necessidades básicas:
· Ter um objetivo em mente.
· Ter informações suficientes sobre o fato.
· Refletir adequada e suficientemente sobre o assunto.
· Selecionar fatos e evitar opiniões.
· Prestar informações precisas e exatas.
· Responder a todas as perguntas feitas anteriormente pelo destinatário.


E ainda:
· Colocar-se no lugar do receptor.
· Planejar a estrutura da comunicação a ser feita.
· Dominar todas as palavras necessárias.
· Tratar do assunto com propriedade.
· Ser natural, conciso e correto.
· Usar linguagem de fácil compreensão.

1.4 - Defeitos na carta comercial

O objetivo de uma correspondência comercial é transmitir uma mensagem clara, que seja compreendida facilmente, e que leve o receptor à ação.Entretanto, existem alguns enganos costumeiros que podem frustrar os objetivos de uma carta comercial e devem ser evitados, como veremos nas próximas páginas.

Quanto ao estilo: evitar fazer literatura, floreando o texto com muitos adjetivos irrelevantes, metáforas inoportunas e períodos excessivamente longos.
Deve-se ter clareza de idéias, rapidez de exposição (ir direto ao assunto).
O vocabulário deverá ser o usual, sem buscar terminologia complexa, neologismos, estrangeirismos, frases de efeito (sobretudo latinas).
Deve-se evitar, quando possível, os verbos auxiliares: foi feito = fez-se, foi tomada = tomou-se.

Quanto às abreviações: para maior clareza acostumar-se, sempre que possível e necessário, a escrever por extenso, pois com isso, evita-se a perda de tempo e a ineficácia do texto.

Quanto à prolixidade ou uso de frases-feitas: são expressões desaconselháveis, sendo inúteis as seguintes: venho por meio desta, vimos informar-lhe, comunicamos, etc.
Para evitar repetições de idéias ou palavras, recomenda-se a leitura da carta.

Quanto à escrita de algarismos: não é necessário digitar o número e o numeral. Ou uma coisa ou outra, mas a preferência é pelo número.

Quanto à despedida: evitar sobretudo o "não tenho nada mais para o momento", que se constitui um evidente pleonasmo. Diga-se, simplesmente atenciosamente.

Quanto à pontuação: coloca-se ponto final após local e data. Trata-se de frase nominal: carta escrita em Belo Horizonte, no dia 04 de maio de 1996. Coloca-se vírgula após o nome do assinante da carta e ponto após o cargo ou função. O cargo ou função são, neste caso, aposto. Portanto, devem ser pontuados como manda a gramática. A saudação inicial é seguida de dois-pontos (Sr. Fulano de Tal:; Prezado Senhor:).

Quanto à ortografia: são erros indesejáveis redigir: exceção com ss; paralisar com z; pretensão com ç; catalisar e catalisador com z; entre outros.
Deve-se acentuar oxítonas terminadas em i e u quando precedidas de vogal, como Havaí, Itaú, Jaú. As palavras Itu, Botucatu, Tatu, caju, preveni-lo, ali e aqui são oxítonas que não são acentuadas, porque precedidas de consoante.

Quanto à mensagem: usa-se a função referencial (denotativa) da linguagem, com verbos na terceira pessoa do singular, ou mesmo a função apelativa (conativa), na qual procura-se influenciar o comportamento do leitor através de imperativos, vocativos e interrogações.
Preferencialmente, a redação de uma mensagem deve ser produto de reflexão exaustiva; o redator deve estar de posse de todas as informações necessárias para escrever a carta. Deve também ter um objetivo claro.

Quanto à gramática: deve-se evitar frases do tipo:
Em anexo.; Face à...; Pedimos para...; Solicitamos para...; Tenho para te perguntar a você.; Sito à rua...; Em nossa conversa, onde propusemos...; Aonde você passou suas férias?; Haja visto...; Fazem 10 dias.; Há duas semanas atrás.; Haviam 20 pessoas na reunião.; Fez tudo para mim realizar o trabalho.;

e sim trocá-las por:
Anexamos, anexo.; Em face de, diante de...; Pedimos que...; Solicitamos que...; Tenho algo para perguntar-lhe.; Sito na rua...; Em conversa em que propusemos...; Onde você passou sua férias?; Haja vista...; Faz 10 dias.; Há duas semanas.; Havia 20 pessoas na reunião.; Fez tudo para eu realizar o trabalho.
Existem alguns vocábulos e expressões que já se desgastaram e caíram em total descrédito, tais como amigo, apreço, augurar, calorosas, saudações, consideração, distinta consideração, estima, extremadas considerações, gentileza, limitados ao exposto, honra, protesto de estima e consideração, prazer, satisfação, sendo o que tínhamos a informar.
Essas expressões já estão desgastadas pelo uso contínuo e não despertam mais a atenção do leitor. Por isso, não devem ser mais utilizadas na carta comercial.

1.5 - Regras de descrição comercial

Existem algumas regras básicas de descrição comercial:
· O estilo deve ser rápido, vivo e claro;
· Os parágrafos devem ser sempre curtos, com o uso sobretudo da frase nominal (frase sem verbo) e de orações coordenadas;
· As descrições devem ser rápidas e carregadas de informação, não se tolera morosidade e lentidão;
· A impressão deve ser direta e concisa;


E ainda:
· Deve-se procurar captar a atenção do leitor desde a primeira linha, evitando frases muito explicativas;
· Deve-se evitar empregar muitas palavras quando uma só for suficiente;
· Também não serão aceitos carregamento de adjetivos, floreando a carta comercial;
· É preciso preocupar-se em redigir o texto somente depois de observar o objeto a ser descrito, encontrando nele uma característica que valha a pena ser transmitida ao leitor.

A chamada descrição objetiva é a descrição exata, sem floreios e sua principal característica é deixar de lado o aspecto artístico da frase, preocupando-se somente com a eficácia e exatidão da comunicação.O vocábulo neste tipo de descrição será sempre preciso, com detalhes exatos e a linguagem sóbria. Seu objetivo é esclarecer, informar, comunicar e mais do que isso, convencer pelos fatos que imprime.

1.6 - Exemplo de carta descritiva

Belo Horizonte, 20 de novembro de 2006.
Senhores:
A Associação Comercial de nossa cidade informou-nos que V.Sas. pretendem realizar a Reunião Anual de Vendas, de 2006, aqui em nossa cidade, nos dias 25, 26 e 27 de janeiro do próximo ano. Solicitou-nos também que enviássemos a V.Sas. uma proposta que, além de descrever nosso Hotel, oferecesse as melhores condições possíveis para receber e acomodar a todos.
O Hotel Katarine, de quatro estrelas, está localizado no centro da cidade, na avenida Pedro Primeiro, esquina com a Rua Cristiano Guimarães. A poucos metros da entrada principal, encontra-se o mais famoso restaurante da região, o Comilão; ao lado fica o Banco do Brasil. Em frente ao Hotel, localiza-se a agência do Banco Real e, ao lado, o prédio da Caixa Econômica Federal.
O Hotel possui 190 apartamentos, todos com banheiro privativo completo, ar-condicionado, acarpetados, música ambiental, televisão em cores, geladeiras e perfeito serviço de atendimento ininterrupto.
Há no Hotel um cento de convenções, com capacidade para 600 pessoas, com poltronas confortáveis, sistema de som perfeito: microfones e alto-falantes.
Atenciosamente,
Paulo Martins.
Anexo: Folheto de informações gerais.
c/c: Departamento de Vendas.


1.7 - Narração Comercial

Narração é um relato organizado de acontecimentos reais ou imagináveis. Deve-se destacar o movimento dos fatos, mantendo aceso o interesse do leitor, expor os acontecimentos com rapidez, relatando-se apenas o que é significativo.
A narração envolve:
· quem? Personagens;
· quê? Atos, enredo;
· quando? A época em que ocorreram os acontecimentos;
· onde? O lugar da ocorrência;
· como? O modo como se desenvolveram os acontecimentos;
· por quê? A causa dos acontecimentos.

Na narração, deve-se evitar que os acontecimentos se amontoem, sem nenhum significado.Força-se selecionar fatos relevantes, evitando-se, quando possível, detalhes planos, as séries de adjetivos.Recomenda-se o uso preferencialmente de substantivos.


1.8 - Técnicas de narração comercial

Existem várias técnicas que permitem captar a atenção do leitor. São elas:
· Escrever parágrafos curtos e sem muitos detalhes;
· Usar orações coordenadas para ser bem claro (aditivas, adversativas, alternativas, conclusivas, explicativas);
· Manter o leitor em suspense, relatando os fatos em seqüência, até chegar ao clímax da narração;
E ainda:
· Falar somente do que se conhece bem;
· Dividir as ações em partes;
· Juntar apenas o que é significativo;
· Ter presente o objetivo da narração;
· Sugerir soluções, mais do que explicar acontecimentos.

1.9 - Exemplo de carta narrativa

Belo Horizonte, 20 de novembro de 2006.
Senhor Diretor:
Tendo em vista nosso longo relacionamento, achamos por bem narrar-lhe fatos que vêm acontecendo ultimamente e que nos têm causado certa preocupação e receio quanto à continuidade dos serviços de V.Sa.
Há três meses, no dia 20-08-06, fomos surpreendidos com a troca do professor de português. O novo professor, Sr. Roberto Gomes, não se dignou dar qualquer tipo de satisfação aos alunos, muito menos procurou ser amigo da classe.
Ao final da primeira semana, surgiram as reclamações; algumas diziam que o professor era grosseiro e mal-educado.
Ao fim do primeiro mês, o coordenador do departamento de cursos de V.Sa. prometeu-nos solucionar a questão. Uma semana se passou sem que o assunto fosse resolvido, ocasionando com isso a irritação do professor e a falta de presença dos alunos às aulas.
Três meses se passaram, e as coisas não se resolveram, pois o tal acordo e acerto com o professor são impossíveis, devido a sua completa intransigência.
Assim, gostaríamos de ter um contato pessoal com V.Sa. para resolvermos este assunto.
Atenciosamente,
Fulano de Tal.


1.10 - Dissertação Comercial

Dissertar é apresentar idéias, analisá-las e estabelecer um ponto de vista baseado em argumentos lógicos. Dissertar é estabelecer relações de causa e efeito. Não basta expor, narrar, nem descrever; é necessário explanar e explicar. O raciocínio é que deve imperar nesse tipo de redação comercial, e quanto maior a fundamentação argumentativa, mais brilhante será o desempenho.

Para redigir de modo claro e ser capaz de comunicar algo, é indispensável disciplinar o pensamento utilizando as seguintes técnicas:
· As declarações, para terem validade, exigem que sejam provadas, que se apresentem fatos que as apóiem;
· Os fatos não podem ser discutidos;
· As opiniões são tantas, a verdade uma só...;
· Os fatos nem sempre bastam. É necessário que a observação dos fatos seja meticulosa; que eles sejam adequados, relevantes, característicos, suficientes, fidedignos, consistentes. Quando, por exemplo, os dados são insuficientes, não se pode chegar a uma certeza absoluta.


1.11 - Exemplo de carta dissertativa

Belo Horizonte, 20 de novembro de 2006.

Senhor Otacílio Neves:

Muitos vendedores esquecem-se facilmente da necessidade de sistematização de visitas aos clientes. Ignoram que somente a organização do próprio trabalho é capaz de lhes proporcionar resultados satisfatórios. Não é a sistematização pela sistematização, não é a disciplina pela disciplina, mas a estruturação de um plano de trabalho, de visitas administradas que se quer incutir.
Contamos com sua colaboração para a elaboração de um plano de visitas. Se possível, informe-nos sobre sua metodologia de atendimento e técnicas utilizadas.

Atenciosamente,

Pedro Cardoso,
Gerente de Vendas.


1.12 - Referência Bibliográfica

Este curso é baseado na obra de João Bosco Medeiros: Correspondência: técnicas de comunicação criativa - 17. ed. - São Paulo : Atlas, 2004.
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sugestão de Nomes para Células de Crianças, Pequenos Grupos, Rede Infantil, Cultos.

Olá Meninas e Meninos (jeito carinhoso de chamar vocês tios e tias)! Que a graça e a paz de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo seja com todos vocês. Bem, estava um tanto ausente por causa do trabalho, mas estou de volta e postando novidades. Tenho sido perguntada por alguns tios e tias, sobre idéias de nomes para Células de Crianças, Pequenos Grupos, Rede Infantil, Cultos. E hoje decidi postar algumas sugestões.
O lado bom de se trabalhar em ministério infantil, é quando fazemos as escolhas do nome da classe, da célula, do pequeno grupo, das Redes de Crianças, dos Encontros Semanais e dos Cultinhos.
Uma amiga aqui de Manaus que eu gosto muito, foi quem me motivou a postar antecipadamente este post, que eu ainda estava preparando (a bom preparar). Mas, fico feliz porque sei que de alguma forma estarei ajudando muitas de vocês. 
Sei que nem todo mundo tem criatividade de inventar ou criar algo na hora de supetão. É necessário preparo, conhecimento daquilo que se quer fazer, pesquisas …

Modelos de Roupas para Grupo de Louvor Infantil para Meninas

A pedidos, estou postando alguns modelos de roupas que você poderá  adaptar para o ministério de louvor infantil de sua igreja, utilizando-se dos modelos e modificando o que você achar necessário. Sabemos que precisamos padronizar algumas vezes nessa área por questão de ética e por ser bem mais elegante estarem todos bem vestidos para louvar ao nosso DEUS.










(Ariane, talvez este seja adaptado ao seu pedido)
Estas são algumas idéias de vestidos para meninas, que como falei anteriormente podem ser adaptadas.
Fonte: Google Imagens

Personagens bíblicos para histórias em E.V.A.

Olá, mais uma vez estou aqui. Lembram que prometi a vocês que iria postar materiais de ensino? Bem, hoje vou postar em fotos, personagens para histórias bíblicas que você pode criar com um único molde, basta usar a criatividade. Eu achei este molde na internet, e decidi apostar nele. Os detalhes, como roupas eu mesma elaborei, baseada no corpinho do próprio molde. Você verá a sequência que irei expor aqui, e espero eu que você possa entender, porque está muito fácil. Você pode utilizar o mesmo molde para fazer diversos personagens de histórias bíblicas, se quiser. Vamos lá então ver como ficou???


Postando o molde do boneco. Só não deu pra postar os demais, porque foram feitos baseados no corpo do boneco. Use a criatividade. Vamos lá!? (07/05/2015)