04/04/2009

A música como instrumento na minha vida

Desde criança já gostava de cantar, já gostava de dançar, e isso foi notório para quem me conhecia. Não tinha tanta oportunidade para mostrar o que realmente eu sabia fazer, mas, sempre estive atenta as coisas ao meu redor.
Meu pai, já gostava de música antes de conhecer minha mãe, mulherengo como só ele na época, acabou levando minha mãe no papo, daí nasceu euzinha. E para sustentar a família ele teve que se virar, aliás, ele já se virava bem antes, pois começou a trabalhar com 13 anos para ajudar minha falecida avó.
Então ele trabalhou em uma empresa, hoje já falida. Mas, nunca deixou de lado aquilo que ele já sabia fazer, que era cantar e tocar. Durante, muito tempo depois dos 5 filhos que teve após mim, meu pai teve como sustentação a música. Era através dela que ele levava o sustento para casa. Eu não gosto de lembrar as coisas ruins que aconteceram nestes períodos, gosto de lembrar do que realmente fez sentido naquela época. E para mim, ver meu pai tocar e cantar junto dos amigos era muito diferente, sempre estive ali presente dele. Meu tio tinha um barzinho na parte de cima da casa da minha avó, que tinha por apelido "Padoginho", porque o som que rolava lá era este, padode, só pagode.
E eu cresci vendo aquilo tudo, todos ali cantarolando, batendo os tamborins e tocando os cavaquinhos. Então nasceu um desejo de cantar também.
Fui crescendo vendo meu pai sendo músico, tocando nos bares da vida para dar o nosso sustento.
Eu me entristecia porque queria muito poder ter meu pai e minha mãe mais juntos da gente, fazia falta, porque ele chegava tarde, e mal o víamos.
Então comecei a frequentar a Igreja, e lá tinha tudo o que eu precisava para crescer no meu sonho, cantar. Sempre acompanhando os passos de cantoras famosas na época como Jumara, Pingo de Gente, Alvaro Tito, Oséias de Paula, aquilo que eu achava ser um talento, tornou-se um dom.
Aos 12 anos, participei de um coral, e tempos depois fui consagrada a solista do mesmo coral de adolescentes da igreja que me congregava, depois fui convidada para participar do ministério de louvor de jovens. Ainda não tinha tanta experiência e nem técnica vocal, minhas inspirações começaram com Aline Barros, e até hoje continua, pois ela começou com a mesma idade que eu.
Mas, após um declinio espiritual eu já não cantava mais, e conheci um outro lado da história, e foi ai que Deus moldou a minha vida. Passei sete anos sem subir num pulpito para dar uma palavra ou cantar, apenas ministrava na célula que eu liderava. E comecei a perceber que não era para a fama e nem para o dinheiro que Deus tinha me dado o dom para cantar. Era porque ele tinha um propósito muito grande na minha vida, o qual eu ainda não conhecia até então.
Nestes sete anos, passei por desertos, dificuldades, temores, lutas e desolações, e mesmo assim Deus me levantou.
E agora, retomando a música como instrumento na minha vida, percebo o quanto Deus é importante para mim, mais que tudo nesse mundo. Porque assim como ele me deu o dom, ele também tirou, e depois, devolveu para que eu pudesse entender o real propósito da minha vocação. Não foi nada fácil, e ainda não está sendo, porque enfrentamos muitas coisas quando estamos firmados em um propósito principalmente em ministérios que não valorizam o seu dom.
E acham que você está ali apenas para servir de "estrela" o que não é o meu caso. Mas, graças a Deus vou seguindo a vida do jeito que ele me permitiu e ainda permite. Sou levita sim, e não nego o meu chamado. E farei o que for preciso para agradar o coração de Deus com minha voz e com minhas canções, e mesmo se minha voz falhar ou se eu vier a perdê-la, eu não negarei o meu chamado, e continuarem louvando a Ele sempre e sempre.
Porque a música tem sido um instrumento na minha vida, como prova de que Deus realmente me ama, e que através dela, muitas vidas serão impactadas e transformadas para a honra e glória do Nome dEle.
Eu quero dizer algo a você que está lendo este artigo:
Nunca desista dos seus sonhos, e jamais de um chamado. Porque desde o ventre de nossas mães, Deus já nos sondava, ele já nos conhecia, mesmo antes de sermos gerados. E não existe nada e nem ninguém que possa frustrar os planos de Deus na sua vida. Porque ele já tem preparado um destino para você.
Seu dom e seu talento, pertencem a Deus, pois foi ele quem te deu! Nunca diga que você faz e acontece sozinho, porque sozinhos nós não somos nada.
É como eu vejo minha irmã, dizer:
- Eu sem Deus não sou nada, e Deus sem mim, é Deus!
Pense nisso! Que Deus te abençoe hoje e sempre!
Share:
Postar um comentário