13/03/2011

Carnaval

Olá Crianças!

O carnaval está chegando e com ele as pesquisas escolares. Encontramos muitas coisas na internet: sua origem, o carnaval brasileiro e as mudanças que ocorreram com o tempo até chegar ao modelo atual.

Existem vários estudos sobre a origem dessa festa popular. Embora existam diferentes opiniões, entre os historiadores, sobre como tudo começou, a maioria das pesquisas concorda que o carnaval é uma festa muito antiga, antes mesmo de Jesus nascer e que sempre aconteceu em países católicos.

Nos tempos antigos as pessoas gostavam de comemorar, com grandes festas, os acontecimentos que marcavam suas vidas. Os fenômenos da natureza, mudanças das estações do ano, colheitas e homenagens aos deuses, tudo era motivo de festa. Muitos povos não conheciam ao Deus verdadeiro e até hoje muitos ainda não o conhecem, por isso cultuam falsos deuses. Naquele tempo, homens, mulheres e crianças pintavam seus corpos, usavam máscaras e saiam pelas ruas cantando e dançando, pensando que assim espantariam os demônios da má colheita.

Alguns dizem que a palavra carnaval é italiana “carnevale”, que quer dizer “adeus à carne”. Outros dizem que é uma expressão latina “carnelevamen”, ou seja, “prazeres da carne”.

Muito antes de o Brasil ser descoberto, o carnaval já existia na Europa, especialmente em Veneza, Paris, Munique e Roma. Era uma grande festa onde todos podiam participar de bailes de máscaras, usarem fantasias, desfilar pelas ruas e era também uma manifestação folclórica, essa festa influenciou o carnaval brasileiro.

No Brasil o carnaval chegou através dos portugueses no século XVII. A brincadeira se chamava “entrudo”, que quer dizer, “entrada”. Era uma festa onde as pessoas jogavam água umas nas outras e nas pessoas que passavam na rua. Também jogavam laranjas, água com limão, vinagre, groselha, farinha, polvilho e até outros líquidos mal cheirosos. Depois começaram as batalhas de confetes e serpentinas, tudo isso com muita correria e gargalhada. A elite que não queria participar dessa lambança, fazia suas festas em salões. A brincadeira começou a ficar violenta e foi expressamente proibida no Rio de Janeiro, porém na cidade de Recife, ainda resiste com o nome de Mela-mela.

Foi no século XX que começou o carnaval com desfiles nas ruas, blocos carnavalescos, carros alegóricos, marchinhas e samba enredo. A primeira escola de samba nasceu no Rio de Janeiro e chamava-se “Deixa falar”. Em 1935 começou então o concurso, uma disputa entre escolas de samba. Além de outras influencias do carnaval europeu, foram incorporados personagens como: Rei Momo, o pierrô e a colombina.

O carnaval é definido como uma festa popular onde se comemora a liberdade. Com este pretexto é permitido deixar, durante os quatro dias de carnaval, os princípios e os valores morais e éticas, que aprendemos desde a infância e passa a ser permitido o escandaloso, o imoral. A televisão sem censura, incentiva a imoralidade. Nessa época cresce a violência, o uso de drogas e bebidas alcoólicas que gera os dependentes.

Nós cristãos, temos muitos motivos para não comemorarmos o carnaval e entendemos que esta é uma festa que não agrada o coração de Deus.

Vamos aos motivos:

- O carnaval é dedicado ao Rei Momo, quando a chave da cidade é entregue a ele simbolicamente se torna o dono da cidade pelos dias da festa. Sabe quem é ele?

Momo é um personagem da mitologia grega – Filho do sono e da noite, deus da zombaria, do sarcasmo, da galhofa, do delírio, da ofensa. Então reflita: Acha possível que Jesus, o Príncipe da Paz, entregaria a chave da nossa cidade ao deus Momo?

“Fujam da imoralidade sexual... usem o seu corpo para a glória de Deus”. (1 Coríntios 6.18.20)

- Temos muitos motivos para nos alegrar, todos os dias das nossas vidas. A nossa alegria vem de Deus, alegria de servirmos a um Deus vivo, justo, cheio de amor. A Bíblia diz: “os loucos zombam do pecado” Provérbios 14.9. O carnaval é simplesmente uma festa que ofende a santidade de Deus.

“Irmãos, vocês foram chamados para a liberdade. Mas não usem a liberdade para dar ocasião à vontade da carne” Gálatas 5.13.

Querida criança, nós temos uma mente muito criativa de natureza, portanto precisamos ficar muito atentos para não gastarmos nosso tempo com aquilo que não nos edifica. Precisamos entender que aquilo em que pensamos influencia totalmente as nossas vidas, como disse Salomão: “Como ele pensa consigo mesmo, assim é” (Provérbios 23.7). Isso quer dizer que nos transformamos naquilo em que pensamos. Puxa, isso é assustador não é?

Então sobre o que devemos pensar? Devemos pensar em coisas boas, coisas bonitas, procurar ver as coisas como Deus as vê. Não deixe os pensamentos ruins ocuparem sua mente, pense nas grandes obras de Deus. Pensar em coisas verdadeiras, nas promessas de Deus, na sua palavra nos garante uma mente sadia.

Um versículo para você meditar:

“Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas” Filipenses 4.8.

Fonte: diantedotrono.com.br / montesiao.pro.br
Share:
Postar um comentário