22/05/2011

Uma Educação Física Diferente

No passado, a Educação Física foi vista como meio de preparar a juventude para a defesa da nação, fortalecer o trabalhador ou buscar novos talentos esportivos para representar a pátria internacionalmente. Hoje, ela é um componente curricular da Educação Básica na Lei de Diretrizes e Bases de 1996, mostrando-se fundamental pro desenvolvimento infantil, especialmente ao integrar-se com outras disciplinas do ensino básico.
Quando bem trabalhada, a Educação Física pode ser muito mais que uma aula de brincar de bola. Ela pode mobilizar aspectos afetivos, sociais, éticos e da sexualidade. Com sua prática, estimula-se que as crianças sejam capazes de participar de atividades corporais, respeitar o próximo, repudiar a violência, adotar hábitos saudáveis de higiene e alimentação e ter espírito crítico em relação à imposição de padrões de saúde, beleza e estética.

Isso tudo acontece mais facilmente quando as aulas de Educação Física não se limitam às quadras esportivas, mas começam a fazer parte do cotidiano e da realidade da criança. Algumas pequenas ações dos educadores podem fazer grande diferença nesse sentido!
Não só praticar o esporte mas, em sala de aula, os alunos podem fazer redações sobre as situações vividas nas quadras. Falando de suas experiências, eles produzem textos mais vivos e ricos e se auto-conscientizam da importância das atividades físicas.
Em casa, as tarefas continuam. As crianças podem pesquisam brincadeiras, danças e jogos que os pais e avós praticavam quando pequenos. Anotar tudo e, na aula seguinte, apresentar as descobertas para a turma é uma forma de gerar curiosidade e interesse pelo tema.
Intercalar atividades que enfatizam competição de equipes, e cooperação de todos também auxiliam a desenvolver o espírito esportivo.
Com dicas como estas, e outras que o educador pode criar, as atividades físicas se tornam mais solidárias e prazerosas para os pequeninos.

Extraído e adaptado de www.novaescola.abril.com.br
Share:
Postar um comentário